Assis Chateaubriand era um nordestino que preocupava os pais por ser gago e raquítico. Apesar das dificuldades em se alfabetizar, ele não demorou a se interessar pelo mundo das letras para posteriormente se formar em advocacia. Com apoio de brasileiros influentes, se tornou dono de um império de comunicações. O livro “Chatô – O Rei do Brasil” conta o surgimento de alguns dos 100 jornais do seu aglomerado, das primeiras revistas e das emissoras de televisão e rádio. Além disso, atuou na política e nos negócios, sendo dono de laboratório químico e do Museu de Arte Moderna de São Paulo.

fonte: Fundação
Assis Chateaubriand

Fernando Morais escreveu a biografia de “um homem cheio de grandeza e miséria, paixão e fúria”. “Chatô – O Rei do Brasil”, mostra um personagem pretensioso e persistente, sempre de forma extravagante. Um dos seus sonhos era conhecer a Rainha da Inglaterra e para isto até participou da cerimônia de coroação da monarca, Elizabeth II. Como não conseguiria cumprimentá-la, resolveu estender faixas no caminho onde passaria o cortejo real. As mensagens diziam: “Nossa Senhora de Aparecida guarde a Rainha” e “Nosso Senhor do Bonfim guarde a Rainha. Anos depois, iria conhecê-la no cargo de embaixador do Brasil naquele país.

Mal visto e temido por vários, Chateaubriand muitas vezes era chantagista e ladrão. Com muita audácia, criava projetos para conseguir aliados e patrocínio financeiro. Na maioria dos casos, ou o dinheiro não era bem administrado ou não era investido integralmente na causa. A maioria dos investidores sabia disso, mas não ousava negar um pedido do Chatô. Dono de jornais, ele tinha o poder de engrandecer aliados e acabar com a reputação de inimigos. Para ataques mais polêmicos se apropriava de dois pseudônimos: Macaco Elétrico e A.Raposo Tavares.

O Fernando Morais cita vários exemplos que mostram como o jornalista ia contra o compromisso da profissão, em manter a imparcialidade diante dos fatos. O Chateaubraind de seus jornais foram adquiridos com o intuito de eleger o Getúlio Vargas como Presidente da República. Já a revista O Cruzeiro, a mais vendida na época, publicava coberturas fotográficas de tudo que tivesse relação com o Getúlio Vargas e João Pessoa (candidatos a presidência e vice-presidência da república, respectivamente).

fonte: capa divulgação

Apesar da falta de ética, a dedicação que Chatô possuía com o jornalismo fica clara no livro. Ele teve uma notável participação no desenvolvimento da comunicação no Brasil. Com ajuda do Getúlio Vargas, enquanto ministro da fazenda, garantiu que a revista O Cruzeiro estaria nas bancas de Belém e Porto Alegre simultaneamente. Para isso, além de usar caminhões, barcos e trens, Chatô fretou um bimotor para a distribuição nacional. Também foi um dos primeiros a mandar correspondente para fora do país e a trazer o sistema televisivo ao Brasil.

As 695 páginas representam um relato denso com riqueza de detalhes. Para compor a obra, foram 92 entrevistados e aproximadamente 54 livros pesquisados. Chatô fez parte da história do Brasil, por isso o autor tem a preocupação de ilustrar a situação do país enquanto Chatô vivia. O livro “Chatô – O Rei do Brasil” é leitura obrigatória para qualquer estudante e profissional de comunicação. O megaperfil escrito por Fernando Morais mostra um exemplo de perseverança. Também explicita os desafios que um meio de comunicação assume ao ser criado.